CVV boa tarde!”
“Oi, e ae?”
“No que posso ajudar?”
“Qual é o seu nome, moça?”
“Fulana, e o seu?”
“Fernanda…”
“Oi Fernanda, como estás?”
“Ixi Fulana, não queria falar sobre isso não…”
“Mas Fernanda, você ligou aqui no CVV para falar dos seus problemas, não?”
“Na verdade, não… Queria fazer amigos”
“Sei. então você tem problemas em fazer amigos?”
“Não. Tenho problema em mantê-los”
“Entendo. Bom, podemos ser amigas então! Sobre o que quer conversar?”
“Não quero conversar, Fulana. Não me leve a mal não”
“O que posso fazer por você, então?”
“Nada, na verdade. Só fica aí. Faz um barulhinho no telefone de vez em quando para eu saber que você ainda se importa comigo. Ou depois de uns tempos de silêncio, me pergunta se eu ainda estou aqui por você”
“Certo”

“Fernanda?”
“Sim”
“Por que você não sai, vai tomar um chopp com os seus amigos, vai ver gente, rir um pouco?”
“Fulana, você pode ser a minha amiga simplemente por mim, sem que eu tenha que lhe parecer brilhante, engraçada, inteligente e útil? Só ficando aqui quieta, sabendo que eu estou triste?”
“Mas Fernanda, você concorda comigo que é complicado criar vínculos de amizade dessa forma?”
“Talvez eu esteja pedindo demais. Tchau Fulana… Obrigada. Valeu pela sua amizade, indepentente do tempo que ela durou”
“Tchau Fernanda.”


ps.1: Essa conversa não existiu, como não existe a Fulana. As únicas coisas reais desse post são o CVV e a Fernanda.
ps.2: Não há tristeza que dure para sempre (assim eu espero).

Beijos…

Anúncios