“Eis o melhor…

* Sincera (não sei mentir);
* Amiga, incondicionalmente;
* Inteligente;
* Engraçada (fazer rir é ótimo);
* Ouvinte (a linha ‘fala que eu te escuto’ é comigo mesma);
* Sonhadora e otimista;

… e o pior de mim.”

* Ciumenta;
* Mimada;
* Carente;
* Não sei lidar com rejeição e negativas;
* Depressiva;
* Preguiçosa às vezes;
* Nervosa;
* Ansiosa…

“Só não se perca ao entrar
No meu infinito particular”

Caramba, como é difícil se definir… Com certeza eu vou lembrar de uma nova definição todas as vezes que olhar para esse post publicado, mas prometo que não vou editar…

Perguntinha: Vocês acham que terapia me ajudaria a recuperar o meu amor-próprio? Nem sei mais o que é isso…

Ps 1.: Post escrito sem falsa modéstia e sem auto-crítica exacerbada;
Ps 2.: Post idealizado enquanto ouvia a música “Infinito Particular”, da Marisa Monte.
 

Beijos para todos!!!!!

Anúncios